A Polícia Civil de Laguna indiciou um homem por injúria racial após ele chamar uma professora de “nega macaca” e cuspir cerveja nela.

Segundo o delegado William Testoni Batisti, que presidiu a investigação, o indiciado tinha o objetivo de atingir a honra da vítima em razão de sua cor de pele. Ainda de acordo com o delegado, atualmente, esse crime é considerado pelos Tribunais Superiores como um delito no cenário do racismo, sendo, portanto, um crime imprescritível, inafiançável e sujeito à pena de reclusão. O caso será encaminhado ao Ministério Público local.

O fato foi registrado em novembro do ano passado, em um restaurante do Canto do Gi, e ganhou destaque aqui no DS. Segundo Mana Tereza, ela estava sentada quando sentiu algo líquido escorrer pelas costas e pernas. “Ao olhar para trás, eu e minha amiga vimos que se tratava de um senhor cuspindo em mim. Ele enchia a boca de cerveja, fazia o que parecia um gargarejo e cuspia em minhas costas”, contou Mana na época.

O homem estava acompanhando da esposa, que chegou a pedir desculpas à Mana pela atitude do companheiro. Ainda de acordo com a professora, o senhor estava bastante alcoolizado e a esposa não conseguia sair do restaurante e levá-lo para o carro. “Eu vi aquela situação e ainda tentei ajudá-los. Foi quando cheguei perto, mas o senhor não aceitou e disse que eu era uma ‘nega macaca’. Meu chão se abriu e eu simplesmente fiquei sem reação”, explicou Mana.

Fonte: Diário do Sul 

Foto: Ilustrativa