Um dos crimes mais cruéis registrados em Tubarão completará 10 anos em 2024 e segue sem a prisão da principal suspeita: Silvana Seidler.

Silvana é acusada de matar a própria filha, Carol Seidler Calegari. A morte teria sido por asfixia.

O nome de Silvana está entre os mais procurados na Interpol, na Polícia Federal e agora também aparece no portal Foragidos, criado pela Polícia Civil de Santa Catarina.

Pela ferramenta será possível conhecer a relação de pessoas que foram condenadas pelo Poder Judiciário e que estão foragidas.

O caso que chocou a região aconteceu no dia 22 de dezembro de 2014. Silvana teria se envolvido em um acidente na BR-101 e informou o suposto desaparecimento da filha.

Os familiares, então, iniciaram na época as buscas pela criança. O corpo de Carol foi encontrado horas mais tarde em um quarto nos fundos da casa da família, coberto por roupas e brinquedos.

A menina morava com a mãe e o irmão. Antes de desaparecer, Silvana Seidler chegou a acompanhar o ex-marido e pai de Carol no registro do boletim de ocorrência pelo sumiço da filha.

Ela foi vista pela última vez duas horas antes de a polícia encontrar o corpo da menina.

Silvana foi indiciada por homicídio como crime hediondo pela asfixia por esganadura e meio cruel de ocultação de cadáver.

 

Participe do nosso grupo de ouvintes no WhatsApp e Telegram, e receba informações atualizadas diariamente.

WhatsApp, clique aqui.

Telegram, clique aqui

Fonte/Foto: Sul Agora